MELANCOLIA TRAZIDA PELO MAR DA OCASIÃO

2

Vivemos o império do egoísmo acho que desde quando fomos expulsos do paraíso.
Vejo crianças cada vez mais adultas e adultos cada dia mais infantis.
Somos todos filhos de Mariana, e também fomos todos mortos em Paris.
O homem é o reflexo da soberba malcriada e bem alimentada de tudo que já nos fez.

Crianças morrendo na praia, meu coração se espalha, recolho as migalhas.
A gente sabe que tragédia vende bem mais, estampada nas capas dos jornais.
Esfregando na nossa cara, o quão egoístas, amorais, boçais, animais irracionais
Somos, mas nos achamos os maiorais: “não posso me culpar pelo que acontece do lado de lá”.

Sigo aqui me vendendo barato demais, procurando em mim o que ainda não se corrompeu,
lutando por ideais que não são meus, me perguntando: “será que Deus é ateu?”

Tomando remédios para poder dormir e sorrir, pois o entretenimento não me acalma.
Entretanto, eu me encontro pelos teus cantos encantos para a minha pobre alma.
É preciso mais amor, eu preciso de mais ardor para acariciar as minhas dores.
Por fim, trago dentro de mim vazios que ecoam silêncios longos e ensurdecedores.

As-Salamu Alaikum, Aylan Kurdi!

Lucas Alberti Amaral

Anúncios

3 comentários sobre “MELANCOLIA TRAZIDA PELO MAR DA OCASIÃO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s