2014

Depois de bater o ponto e encerrar assim mais um dia na sua sina e que inconsequentemente se torna rotina de muito sangue e algumas carnificinas necessárias à sobrevivência diária.
Vai e vem trocando aos poucos a sua triste vida por alguns bons momentos da mais pura cocaína.
Dinheiro, real, dólar ou euro? Tanto faz desde que seja em troca do seu corpo para os meus prazeres, estão todas ali, virando a direita naquela esquina. E até anteontem ela era apenas mais uma menina que agora vende o corpo e estende a mão, escondendo na alma os medos, no coração sonhos e desejos é tudo tão cinza, os cinquenta tons cada vez mais escuros, e ele puto porque tá duro encarando as pichações nos muros, querendo pagar para amar.
Eu ouço um Deus sendo procurado, questionado aos prantos, aos gritos, dedos apontados para todos os lados, cegos guiando cegos, surdos ouvindo mudos, vocês falam como João Batista e vão vivendo como Herodes. Como podem? Como conseguem? É muita maldade com os que lhes seguem, lobos em pele de cordeiro e daqui eu sinto o mau cheiro! “Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.”
Enquanto todos dormem, o velho clichê em forma de criança procura comida no lixo e vai se alimentando de ódio, rancor, mágoas bem guardadas, refletidas nos olhos que apontam a arma para a sua cara.
Até aqui nenhuma novidade, é sempre assim na república pública das bananas, sejam bem vindos ao rio de janeiro, mas saibam que isso nunca muda, pode ser março ou fevereiro, mas olha ali “que coisa mais linda/Mais cheia de graça/É ela menina/Que vem e que passa/No doce balanço, a caminho do mar.”  Do mal, não se iluda com o interior, não se engane com a capital, nós somos ótimos com as palavras temos orgulho do hino nacional. Eu sou realista, alguns diriam pessimista e acho que nada mais me importa, além ou aquém da minha estúpida opinião, rebelião de sentimentos  criados pela adoração aos heróis que eu assistia todos os dias na minha televisão e com isso eu fui aprendendo a ter expectativas, a ser expectador, a ser crente de que toda busca é valida!
Eu realmente creio e digo numa boa, de fé, na moral, só que sei lá nem todo dia é festa nem sempre é carnaval.
Seria muito piegas ou previsível talvez? Se eu falasse que a nossa política é suja, contaminada e podre! Que eu a repudio, tenho nojo, blá blá blá… Temos que acordar, mas de que vale? De que adianta? Se sou eu quem fica cada vez mais pobre.

Lucas Alberti Amaral

Anúncios

2 comentários sobre “2014

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s